Como traçar um plano adequado de EPI

Tabela de Conteúdos

Os “Elementos de Proteção Individual”, também conhecidos como EPIs, são elos fundamentais dentro da cadeia de segurança e proteção do trabalho. Por isso, é fundamental contar com estratégias e ferramentas tecnológicas que permitam inspeções periódicas, detalhadas e eficientes.

Pela sua própria natureza, bem como devido a várias considerações ambientais ou geográficas, as atividades produtivas e industriais apresentam normalmente um elevado nível de risco e perigo para quem as realiza. Isso torna o uso permanente de “Elementos de Proteção Individual”, ou EPI, essencial para proteger a segurança e integridade dos trabalhadores.

Tecnicamente, EPI é qualquer equipamento, aparelho ou dispositivo especialmente projetado e fabricado para proteger o corpo de qualquer dano, ferida ou lesão causada por acidentes de trabalho ou doenças ocupacionais.

Neste contexto, a lei obriga o empregador a fornecer estes elementos a todos os trabalhadores ou operadores que deles necessitem, em função do trabalho que realizam e do consequente risco a que estão expostos.

Importância dos EPIs

No entanto, os EPI por si só não eliminam os riscos e perigos presentes no local de trabalho, mas protegem as pessoas e podem reduzir substancialmente a gravidade das lesões sofridas em caso de acidente.

Por exemplo, elementos de proteção tão simples como um capacete, luvas, óculos de proteção e sapatos de segurança podem prevenir tudo, desde queimaduras ou lacerações nas extremidades, até traumas graves e ferimentos fatais.

Por esta razão, a utilização obrigatória e regulamentada de EPI deve estar sempre enquadrada num plano preventivo que apoie a sua implementação e que permita aos trabalhadores dispor de informação complementar adequada e ferramentas de formação quanto à sua utilização.

Basta lembrar que em qualquer local de trabalho que envolva risco moderado a extremo, como uma mineração, um prédio em construção, uma área madeireira, uma fábrica de produtos químicos, entre outros exemplos, os riscos que a força de trabalho enfrenta fazem parte do dia a dia.

E não se trata apenas de se proteger contra a queda de objetos, explosões ou golpes contra elementos contundentes. Existem também múltiplos riscos associados a outras situações que passam despercebidas, como o ruído ambiente excessivo ou a presença de substâncias químicas, tóxicas e/ou poluentes.

Todas estas variáveis ​​exigem que a gestão de cada empresa, bem como os profissionais responsáveis ​​pelos respetivos departamentos de Higiene e Segurança no Trabalho, implementem um plano adequado às necessidades de cada empresa. Estes devem definir os EPI relevantes para as tarefas que são realizadas, bem como estabelecer um programa periódico de controle e inspeção dos elementos dispostos para proteger a segurança da mão de obra.

Como aplicar um plano de EPI adequado

Em primeiro lugar, devemos considerar que qualquer plano de inspeção de Elementos de Proteção Individual (EPI) consiste em um processo que deve ser realizado no próprio local de trabalho. Só assim será possível garantir a qualidade, estado e bom funcionamento de cada um destes equipamentos.

Da mesma forma, as inspeções devem ser realizadas por pessoal especialmente formado e treinado para esse fim. Pode ser constituído por consultores externos, ou por funcionários da fábrica. O único denominador comum é que tenham as competências e conhecimentos necessários para desenhar um plano, aplicá-lo e torná-lo conhecido por todos os trabalhadores da empresa.

Ao mesmo tempo, devem mantê-lo atualizado o suficiente para se adaptar a possíveis mudanças no contexto, ou a novos perigos ou riscos que surgem com o andamento das atividades de longo prazo.

Uma vez formada a equipe de inspeção de EPI, é necessário verificar se o processo é realizado de acordo com uma metodologia clara. Isso pode considerar os seguintes passos:

1) Inspecionar o local de trabalho:

Identifique riscos físicos, como cabos expostos, entradas de veículos mal sinalizadas, áreas obstruídas, substâncias químicas ou inflamáveis ​​presentes no ambiente ou materiais propensos ao desprendimento, entre outras variáveis.

Da mesma forma, se o local de trabalho estiver localizado em áreas interiores, é necessário garantir o bom estado de outros elementos de proteção complementares, como extintores de incêndio, e identificar e sinalizar todas as saídas de emergência.

2) Verificar o equipamento:

Deve ser feita uma lista completa de todos os equipamentos de segurança que são distribuídos aos trabalhadores, tanto individual como coletivamente, para identificá-los claramente e, simultaneamente, conhecer detalhadamente quais elementos podem estar faltando no inventário.

3) Observar a força de trabalho:

É necessário dispor de tempo prudente para observar e analisar a forma como os trabalhadores realizam as suas atividades quotidianas, bem como ter clareza sobre quais os elementos de proteção individual que utilizam de forma eficaz e, simultaneamente, saber se o fazem corretamente para proteger os seus segurança e saúde.

4) Dialogar com os trabalhadores:

Feita a observação e obtidas as conclusões pertinentes, é necessário conversar com os trabalhadores, esclarecer suas dúvidas e identificar qualquer insegurança que percebam em relação ao seu local de trabalho.

Desta forma, será também possível identificar as possíveis causas do mau uso dos equipamentos, e elaborar as respetivas estratégias de educação e sensibilização corretivas.

Uma vez cumpridas todas estas etapas e obtidas as conclusões mais relevantes do processo de observação e diálogo com os trabalhadores, deve ser elaborado um modelo de inspeção de EPI que permita identificar os elementos em bom ou mau estado.

Desta forma será possível definir um padrão de atuação que permitirá otimizar as estratégias de proteção e cuidado da força de trabalho de toda a empresa.

Para obter a maior clareza possível nesta etapa do processo, é necessário adotar uma categorização precisa. Neste ponto, os especialistas em segurança do trabalho recomendam atuar de acordo com três parâmetros objetivos:

  • Bom (B): Todo equipamento que esteja em ótimas condições, tanto do ponto de vista funcional quanto estrutural, deve ser classificado como “Bom” para fornecer a proteção e segurança exigidas pelo usuário.
  • Regular (R): Todo equipamento que tenha apenas algumas das características de funcionalidade e condição necessárias para fornecer proteção ideal deve ser classificado como “Regular”. Se esta condição não for atendida, o pessoal responsável pela inspeção deve recomendar que não é seguro usar este elemento e solicitar sua substituição o mais rápido possível.
  • Mau (M): Todo EPI que não atender a nenhuma das características e especificações exigidas para proporcionar proteção e segurança ao trabalhador deve ser classificado como “Ruim/Mau”. Nestas circunstâncias, o responsável deve retirá-lo imediatamente e substituí-lo por um equipamento em boas condições.

O valor das ferramentas digitais

Para que este formato de inspeção de EPI seja eficiente, você também deve considerar uma lista de verificação do status de cada item de proteção individual a ser inspecionado. 

Nessa lista, devem ser registradas duas variáveis ​​específicas designadas como “Uso” (U) e “Condição” (C), que são válidas para cada um dos elementos utilizados por cada trabalhador, como, por exemplo, capacete, óculos, auxiliares, oxigênio, roupas de proteção ou calçados de segurança, entre outros.

No entanto, o sucesso dessa estratégia não se baseia apenas no nível de detalhamento que a inspeção atinge, mas também na capacidade da equipe responsável em aplicá-la de forma consistente e eficiente.

Para isso, é fundamental deixar de lado os sistemas mecanizados baseados em formulários de papel, que geralmente são pouco amigáveis, pouco sustentáveis ​​e altamente propensos a erros humanos.

Nesse sentido, a tecnologia digital oferece novas e poderosas ferramentas e aplicativos que permitem desenvolver checklists eletrônicos passíveis de atualização permanente e realizar um controle mais direto, exaustivo e preciso de todas as variáveis ​​acima analisadas.

Só assim será possível garantir tanto o bom estado dos Equipamentos de Proteção Individual, como a correta implementação de um plano de inspeção e utilização dos mesmos. Ambas as condições são essenciais para qualquer empresa ou organização que pretenda cuidar do seu Capital Humano e fortalecer a sua competitividade no mercado.

Além disso, contribuirá decisivamente para uma melhor política de sustentabilidade e circularidade, pois reduzirá significativamente o uso de grandes quantidades de papel que, de outra forma, acabariam aumentando o ciclo de poluição da empresa. Sem contar o impacto ambiental negativo em termos de mau uso dos recursos naturais e aumento da pegada de carbono.

Assuma o controle de suas ordens de serviço

Com a plataforma nº 1 para digitalizar tarefas

Você pode gostar também

Visite-nos e junte-se à Revolução Digital com DataScope

Aprenda a abandonar o papel hoje mesmo!

Sobre o autor

DataScope
DataScope

Compartilhe Em

Gostou deste artigo?

Assine nosso boletim informativo e enviaremos conteúdo como este diretamente para o seu e-mail, uma vez por mês com todas as novidades.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *