Análise da segurança no trabalho para um trabalho de campo mais seguro

Tabela de Conteúdos

A tecnologia digital oferece soluções modernas que permitem realizar esta tarefa de forma mais ágil, eficiente e pró-ativa. É algo especialmente valioso para reduzir os riscos de incidentes de trabalho e, também, enfrentar o atual cenário de contingência em saúde.

Junto com a infraestrutura física e equipamentos técnicos, o capital humano é vital para o sucesso de qualquer empresa. Portanto, seu bem-estar e segurança no trabalho ocupam um lugar fundamental entre as várias estratégias que devem ser aplicadas para uma gestão eficiente.

Com base nisso, é importante ressaltar que a segurança no trabalho vai além da forma adotada pela estratégia preventiva utilizada. Também é importante que qualquer programa considere, em sua preparação e aplicação, os seguintes princípios fundamentais:

1.- Análise do local de trabalho

Envolve a realização de uma avaliação abrangente de todos os ambientes físicos onde o trabalhador realiza suas tarefas diárias, bem como a compreensão da demanda que eles possuam e dos respectivos fatores de atividade física necessários para realizá-las.

2. Análise de segurança do trabalho 

Consiste em identificar os perigos potenciais que o trabalhador pode enfrentar em seu ambiente de trabalho e estabelecer as etapas necessárias para realizar as tarefas com segurança.

3. Observação de segurança no trabalho

É a descrição dos processos e procedimentos que devem ser seguidos para uma correta aplicação de toda a estratégia de segurança.

O CENÁRIO ATUAL COMPLEXO

Embora pareça um procedimento simples, a realidade parece cada vez mais complexa em termos de implementação efetiva. Principalmente se o objetivo é alcançar a máxima eficiência na prevenção de incidentes de segurança (o chamado “cenário zero”). 

De acordo com estatísticas do National Safety Council of America , a cada sete segundos um trabalhador se machuca em seu trabalho. Além das consequências físicas e psicológicas que isso acarreta para o próprio funcionário, esse número equivale à perda de 104 milhões de dias de produção por ano, devido a lesões decorrentes de acidentes de trabalho.

O mesmo estudo estabelece que as atividades de instalação, manutenção e reparo estão entre as cinco ocupações com maior número de problemas de segurança no trabalho.

Essa alta taxa de acidentes contrasta com os requisitos e padrões regulatórios cada vez mais rígidos impostos pela legislação governamental internacional. Uma estrutura legal que, com o impacto da pandemia COVID-19, parece ter se intensificado ainda mais. Apesar disso, a cada dia assistimos a novos acidentes e / ou doenças ocupacionais que parecem continuar a aumentar o sentimento de risco entre os trabalhadores.

UTILIDADE UNIVERSAL

O duplo impacto gerado por uma massa trabalhadora mais exposta a acidentes, e também o medo do contágio do coronavírus, torna então cada vez mais necessário o uso de ferramentas ágeis e eficientes para analisar os riscos de segurança ocupacional no terreno. 

Em particular, são necessários formulários de segurança do trabalho que podem ser usados ​​em ambientes online, continuamente replicados ou completamente adaptáveis, de acordo com as necessidades altamente mutáveis ​​do cenário atual que envolve as empresas. 

A importância estratégica deste tipo de ferramenta reside no fato de que, para otimizar a segurança dos trabalhadores, é necessário não somente se preocupar em prevenir os riscos ocupacionais, mas também relatá-los (e analisá-los) em tempo hábil, sempre que ocorrer um acidente. 

A título de exemplo, nos últimos meses vimos como, apenas no setor agroalimentar, várias empresas e empresários tiveram de encerrar suas atividades devido à multiplicação exponencial de casos COVID-19 entre os seus trabalhadores.

O problema é duplo, pois, na maioria dos casos, as infecções iniciais não foram notificadas em tempo hábil, o que gerou uma crise de saúde e segurança. Ou seja, a não realização de uma análise adequada de segurança do trabalho gerou um perigo interno com enormes repercussões financeiras e, além disso, uma ameaça à segurança alimentar dos consumidores e da população em geral.  

Isso motivou a intensificação agressiva dos protocolos de saúde por parte dos órgãos reguladores, por meio de cadeias de suprimentos, clientes e consumidores finais. Mas este é claramente um esforço insuficiente se, ao mesmo tempo, as empresas não praticam análises de segurança do trabalho rigorosas, proativas e mais eficientes. Isso permitiria reconhecer cenários; obter conclusões precisas e relevantes; e aplicá-los de forma ágil, dinâmica, objetiva e precisa.

Por exemplo, a Administração de Segurança e Saúde Ocupacional do Departamento de Trabalho dos Estados Unidos publicou recentemente um guia bastante abrangente de análise de segurança no trabalho em seu site para trabalhadores de petróleo e gás e empregadores que enfrentam um maior risco de exposição ocupacional. 

Embora seja especificamente orientado para o risco de contágio do COVID-19, suas recomendações podem ser aplicadas também em todo o campo geral da segurança ocupacional:

– Fique atento às mudanças nas condições de surtos, incluindo a disseminação de vírus e a disponibilidade de testes em sua comunidade.

– Implementar medidas de prevenção e controle de infecções no local de trabalho, para melhor se adaptar aos níveis de risco em evolução. 

– Avalie os perigos aos quais os trabalhadores podem estar expostos.

– Avalie constantemente o risco de exposição.

– Selecionar, implementar e garantir que os trabalhadores usem uma hierarquia de controles para prevenir a exposição (e contágio).

Além do atual contingente de saúde, a tecnologia vem ao auxílio de empresas que buscam otimizar suas boas práticas nesta área, permitindo-lhes realizar análises simplificadas de segurança do trabalho, por meio de aplicativos chamados “low-code”, que garantem agilidade e facilidade na sua implementação.

Essas ferramentas são estruturadas com base em formulários móveis simples, prontos para uso e que, no caso do controle do COVID-19, atendem a todos os requisitos estipulados pelo Centro de Controle de Doenças (CDC).

Estes formulários consideram ações muito simples e diretas, que vão desde o monitoramento de sintomas, e a aplicação de listas de verificação de detecção e autorrelato, até a preparação ou higienização do espaço de trabalho, a preparação de relatórios de incidentes de exposição a vírus, e monitoramento de quarentena. 

Estas valiosas aplicações práticas confirmam o fato de que as análises simplificadas de segurança do trabalho, efetuadas a partir destas tecnologias digitais, de fácil implementação e adaptação à realidade de cada empresa, proporcionam uma série de benefícios concretos e tangíveis.

Algumas destas vantagens são: 

– Permitem atualizar e implementar formulários de análise com agilidade, podendo ser adaptados em muito pouco tempo às características mutantes do ambiente.

– Protegem a segurança dos técnicos, permitindo-lhes criar aplicações de observação do local de trabalho, bem como efetuar análises remotas do local de trabalho e da sua segurança, trabalhando directamente a partir dos seus dispositivos móveis (smartphones ou tablets), evitando novas fontes de eventuais incidentes.

– Permitem criar novas formas de segurança e dimensionar a proteção a um número de trabalhadores em crescimento exponencial, com a mesma velocidade com que as situações ambientais podem mudar.

– Eles estabelecem protocolos de conformidade que podem ser facilmente monitorados, rastreados, armazenados e recuperados para fins estatísticos e de auditoria.

– Eles fornecem dados de campo valiosos, que ajudam na detecção de problemas de segurança e otimizam as prioridades de alocação de recursos.

– Simplificam e aceleram a produção de relatório de incidentes.

Em resumo, dar este passo evolutivo tecnológico implica a possibilidade de criar uma cultura de segurança do trabalho moderna e eficiente. Isso não refletirá apenas em uma melhor rastreabilidade e análise de risco, mas também manterá a força de trabalho (e a comunidade em geral) mais saudável e segura.

Assuma o controle de suas ordens de serviço

Com a plataforma nº 1 para digitalizar tarefas

Você pode gostar também

Visite-nos e junte-se à Revolução Digital com DataScope

Aprenda a abandonar o papel hoje mesmo!

Sobre o autor

Francisco Gonzalez
Francisco Gonzalez

Compartilhe Em

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Gostou deste artigo?

Assine nosso boletim informativo e enviaremos conteúdo como este diretamente para o seu e-mail, uma vez por mês com todas as novidades.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Digitalize suas
Ordens de Serviço

Elimine a papelada, automatize seus processos e mantenha o controle de seus dados.