O progressivo impacto criativo do Low-Code

Tabela de Conteúdos

Esta inovação automatiza tarefas manuais, difíceis, repetitivas e que consomem excessivo tempo e recursos, liberando o talento para realizar tarefas mais importantes, como se centralizar nos requerimentos específicos dos clientes e sua respectiva análise.

A crescente velocidade e competitividade do mercado de tecnologia exige que os desenvolvedores de TI aprimorem constantemente seu trabalho, para que a velocidade seja a sua norma, mas sem que isso se torne ineficiente.

Uma das estratégias mais utilizadas para atender a essa característica é a programação Low-Code ou LCAP (Low-Code Application Platform). Ela atende à necessidade de criar aplicativos com rapidez e com o mínimo de programação manual, cuja contribuição criativa se concentra especificamente no “que falta fazer” e não no “já conhecido”. 

Principais características

A filosofia subjacente a esta tendência de trabalho pode se resumir na seguinte questão: por que começar do zero, se todos esses problemas já foram resolvidos e os padrões são bem compreendidos?

Desta forma, o desenvolvedor é diretamente orientado a criar algo novo e valioso, ao invés de reprogramar milhares de linhas, quebrar sua cabeça com as peculiaridades do framework mais recente, ou realizar inúmeros testes antes mesmo de começar a escrever o primeiro código.

Consequentemente, isso permite o desenvolvimento de aplicações empresariais completas e muito eficientes, sem recorrer a extensos trabalhos de programação, uma vez que o código já se encontra “pré-construído”. Para isso, são utilizadas ferramentas que operam em uma interface moderna, mas bastante simples, integrando dados e utilizando uma lógica rápida e visual do tipo “arrastar e soltar”.

A partir dessa base, os desenvolvedores são salvos de vários problemas derivados do uso de infraestrutura redundante, bem como da implementação repetida de padrões complexos que podem retardar seu trabalho.

Também podem se dedicar inteiramente a aperfeiçoar ou renovar diretamente aquela característica “20%” que faz a verdadeira diferença entre uma aplicação e outra. Em outras palavras, eles direcionam todo o seu esforço criativo para os aspectos que realmente agregam novo valor aos clientes.

Os dados obtidos são armazenados em um Common Data Service (CDS), que geralmente é hospedado na nuvem do provedor de aplicativos. No entanto, em algumas ocasiões, também pode ser instalado no local ou na nuvem da empresa.

A importância estratégica desse estilo de desenvolvimento de software é semelhante ao surgimento das linhas de montagem na indústria de manufatura.

Ambas as inovações automatizam tarefas manuais difíceis, repetitivas e que consomem tempo e recursos. Isso libera tempo e talento para realizar tarefas muito mais importantes, como focar nos requisitos específicos do cliente e suas respectivas análises.

Tipos de uso

 A maioria das plataformas de baixo código é destinada à construção de aplicativos gerais. No entanto, também existem soluções especializadas para funções concretas.

Por exemplo, alguns se concentram no setor bancário e desenvolvem aplicativos de pagamento móvel; enquanto outros, maiores, podem funcionar como um sistema de gerenciamento de processos de negócios (BPM) em várias empresas estratégicas.

Em geral, uma plataforma de Low-Code tem as seguintes características:

  • Ambiente de desenvolvimento visual (IDE): permite definir visualmente as interfaces do usuário, fluxos de trabalho, modelos de dados da aplicação e, se necessário, a opção de adicionar código manuscrito.
  • Conectores de back-ends ou serviços diversos: que permitem a gestão automática das estruturas de dados, bem como o seu armazenamento e recuperação.
  • Gerenciador de ciclo de vida do aplicativo: ferramentas automatizadas que permitem construir, depurar, implantar e manter o aplicativo em modo de teste, inicialização e produção.

De acordo com a profundidade de seu conhecimento técnico, é possível, também, reconhecer três perfis típicos de usuários de baixo código:

  • Desenvolvedores cidadãos que trabalham preferencialmente sem códigos.
  • Desenvolvedores técnicos não programadores, como analistas de negócios com habilidades em TIC.
  • Desenvolvedores profissionais visando um ambiente e resultados lucrativos.

Este último tipo é muito importante, pois, ainda que exista o mito de que as tecnologias Low-Code não são para programadores, especialistas internacionais concordam que uma alta porcentagem de seus usuários vêm de ambientes que atualmente trabalham com tecnologias mais complexas, como Java e Microsoft, entre outros.

Principais vantagens

O uso da arquitetura de baixo código se traduz em vários benefícios, o mais importante deles é a economia de tempo e recursos. Além disso, ajuda a focar nas necessidades dos clientes, e não tanto na tecnologia de desenvolvimento.

Isso permite que você transforme grandes ideias em software lucrativo, simplificando todo o ciclo de desenvolvimento, desde a concepção inicial até a implantação e manutenção futura.

Além disso, uma plataforma Low-Code permite programar e implementar software de gerenciamento mais rápido do que se pensava ser possível. Dependendo da complexidade do aplicativo final, ele pode ser instalado e executado em apenas alguns dias ou semanas, ao contrário do agendamento tradicional, que leva meses para deixar um aplicativo pronto.

Também dá confiança, pois tecnicamente permite fazer coisas muito complexas, trazendo, ao mesmo tempo, a tarefa de programar tanto para empresas de nicho, como para perfis técnicos com conhecimentos de programação menos avançados.

Ou seja, em um desenvolvimento Low-Code não importa o grau de conhecimento, mas sim a capacidade efetiva de criar uma aplicação que agregue valor real aos processos de uma empresa. Essa vantagem permite que você se concentre no cliente e não tanto na tecnologia.

Além disso, como os módulos são pré-construídos, os aplicativos de baixo código podem operar em diferentes sistemas operacionais e dispositivos, incluindo dispositivos móveis.

Finalmente, o preço final dessas ferramentas é de baixo-médio nível, ao contrário da programação tradicional, que sempre terá um valor muito maior.

Principais desvantagens

Embora a simplificação no desenvolvimento tenha um impacto muito positivo para as empresas de desenvolvimento de software, o usuário final pode enfrentar certas externalidades negativas, que devem ser levadas em consideração.

1. Baixa personalização

Os módulos pré-construídos oferecem muito pouca flexibilidade para personalizar a aplicação de acordo com as características do usuário. Isso requer ajustes na forma como os módulos funcionam para funcionarem. Isso pode ser um incômodo em empresas que precisam seguir determinados procedimentos específicos, ou se adequar de forma diferente às legislações ou particularidades do setor.

2. Desconhecimento da ferramenta

O usuário não tem conhecimento do interior do aplicativo, então pode perder algum controle sobre ele. No caso da programação tradicional, os provedores de soluções costumam ser mais abertos para compartilhar essas informações com seus clientes. Além disso, no caso das opções de código aberto, o usuário ainda recebe o código para poder trabalhar e desenvolver a aplicação de acordo com suas necessidades.

3. Manutenção monopolizada

Os fabricantes de plataformas de baixo código realizam atualizações e alterações quando e como desejam, sem perguntar a seus usuários o que realmente precisam. No caso de aplicativos tradicionais na nuvem, este também é o caso, mas em muitos casos pode ser negociado com o provedor, para que o procedimento seja feito quando for conveniente para o usuário.

O impacto do “No-Code”

A constante evolução das plataformas e software de baixo código levou ao surgimento de um novo estilo de desenvolvimento de aplicativos denominado No-Code.

Embora alguns fabricantes ou proprietários tendam a considerá-los como parte da mesma categoria, do ponto de vista técnico eles não são os mesmos.

Em primeiro lugar, os aplicativos No-Code podem ser criados por usuários sem conhecimento de programação, porque seus módulos já foram fabricados. Basta escolher aqueles que são necessários e adicionar os dados da empresa.

Um dos exemplos mais conhecidos hoje são as plataformas de envio de newsletters aos clientes. Isso permite que os profissionais de marketing ou gerentes de RP de uma empresa criem um público, segmentem suas comunicações e projetem um formato de e-mail, sem ter conhecimento de programação front-end.

Sob este ponto de vista, o No-Code é uma ferramenta extremamente útil para o posicionamento organizacional. No entanto, ao contrário do software tradicional ou do próprio Low-Code, não há possibilidades de personalização, uma vez que não existe código a adicionar.

As principais diferenças entre o Low-Code e o No-Code são as seguintes:

  • O Perfil dos criadores de uma aplicação Low-Code corresponde aos desenvolvedores de software; enquanto o No-Code lida com usuários comerciais e não técnicos.
  • O objetivo principal de uma aplicação Low-Code é o rápido desenvolvimento; enquanto o de um No-Code é a facilidade de uso.
  • Muito pouco código é usado para criar um aplicativo de baixo código; enquanto no No-Code nenhum é usado.
  • As aplicações Low-Code têm uma complexidade média, pois depende das características de cada LCAP. No caso do No-Code é muito baixo. Apenas alguns elementos oferecem suporte a alguma personalização, como modelos predefinidos.
  • A dependência do provedor Low-Code é baixa, uma vez que existe uma certa facilidade para alternar ou mover entre diferentes plataformas. No caso do No-Code, essa dependência alta, pois muitas vezes tudo tem que estar na mesma plataforma.
  • O objetivo do Low-Code é estabelecer uma nova geração de ferramentas de desenvolvimento rápido para desenvolvedores. Em vez disso, a solução No-Code busca criar aplicativos de autoatendimento para usuários de negócios inexperientes.
  • Os aplicativos de Low-Code podem ser de complexidade média-alta. Já no No-Code são de complexidade simples e básica.

Assuma o controle de suas ordens de serviço

Com a plataforma nº 1 para digitalizar tarefas

Você pode gostar também

Visite-nos e junte-se à Revolução Digital com DataScope

Aprenda a abandonar o papel hoje mesmo!

Sobre o autor

Francisco Gonzalez
Francisco Gonzalez

Compartilhe Em

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Gostou deste artigo?

Assine nosso boletim informativo e enviaremos conteúdo como este diretamente para o seu e-mail, uma vez por mês com todas as novidades.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.