Como agir diante um terremoto no trabalho

Tabela de Conteúdos

Um terremoto de maior ou menor magnitude pode acontecer a qualquer momento, especialmente em um país altamente sísmico como o Chile. Portanto, é necessário que cada empresa tenha e aplique planos de ação e evacuação que sejam claramente conhecidos por todos os trabalhadores.

A chave para o sucesso do trabalho e do negócio está relacionada em estar preparado para enfrentar qualquer cenário, incluindo contingências, crises e, claro, catástrofes ou desastres naturais. Esta condição é de grande importância no Chile, definido por especialistas como um dos países mais sísmicos do mundo por estar localizado em uma zona de subducção de grande atividade telúrica.

De fato, as estatísticas mostram que aproximadamente a cada dez anos algum ponto de a geografia do Chile sofre as consequências de um terremoto de magnitude superior a 7,5 graus na escala Richter. Sem contar o grande número de terremotos menores que ocorrem regularmente.

Portanto, é fundamental estar preparado para enfrentar esse tipo de contingência com segurança, principalmente dentro de escritórios, empresas, indústrias, depósitos ou áreas produtivas. Isto porque a presença de máquinas, armazéns ou equipamentos de diferentes condições tende a aumentar exponencialmente o risco de sofrer lesões ou acidentes.

Uma estratégia para cada necessidade

O primeiro passo para desenvolver uma estratégia eficaz de prevenção e reação a sismos é realizar um estudo técnico detalhado da realidade específica de cada local de trabalho. Quer se trate de uma empresa, escritório, indústria ou local produtivo.

Esta investigação permitirá determinar com precisão os planos e procedimentos a seguir neste tipo de contingência. Da mesma forma, cada um deles deve incluir um manual detalhado indicando o que deve ser feito antes, durante e depois do terremoto.

Sobre isso, os especialistas da Associação Chilena de Segurança, ACHS, fornecem as seguintes recomendações básicas para atuar em um evento com essas características. A partir dessas sugestões, as empresas podem desenvolver seu respectivo Plano de Emergência, adaptando-o às características físicas ou geográficas de cada local de trabalho.

Recomendações gerais

  • Em primeiro lugar, os tipos de construção onde se realizam as tarefas ou atividades de trabalho devem ser inspecionados e classificados em relação à sua qualidade estrutural e levando em consideração possíveis riscos inerentes.
  • Dependendo das atividades e funções realizadas dentro ou fora do lugar, as respectivas zonas de segurança devem ser determinadas.
  • Estas zonas devem estar situadas, preferencialmente, junto a pilares, debaixo de lintéis de portas e junto a correntes ou outras zonas de elevada resistência estrutural. Por sua vez, devem estar afastadas de janelas, divisórias ou outros elementos que possam sair ou cair sobre as pessoas.
  • As zonas de segurança devem estar sempre devidamente sinalizadas e o pessoal responsável deve assegurar que esta sinalização seja claramente visível para todos.
  • Devem ser definidas com precisão quais situações serão necessárias para a evacuação dos locais de trabalho em caso de terremoto. Por exemplo, movimentos sísmicos de alta intensidade ou aqueles que impedem a permanência no local. Isso dependerá de cada empresa em particular, embora seja aconselhável seguir os parâmetros estabelecidos pelo Escritório Nacional de Emergências, conhecido como ONEMI.
  • No caso de arranha-céus, devem ser estabelecidas zonas de segurança para cada andar e que estas ofereçam mais proteção do que o local de trabalho. Os caminhos de acesso para estas áreas também devem ser devidamente sinalizadas.
  • No caso de edifícios baixos, também é necessário determinar zonas de segurança externas devidamente sinalizadas. Nos edifícios com dois ou mais andares, estes devem estar situados a uma distância mínima de 25 metros. Se o prédio tiver apenas um andar, essa distância é reduzida para 15 metros.
  • As zonas de segurança externas devem estar distantes das vias de circulação de veículos, instalações elétricas, cabos e outros elementos que possam cair sobre as pessoas.
  • Todas as vias de evacuação para zonas de segurança externas devem ter sinalização visível e estar em boas condições.
  • Os planos de evacuação devem ser conhecidos por todos os trabalhadores e usuários regulares do local. Além disso, devem ser colocados em locais visíveis para todo o público externo que acesse as instalações. Lá, devem ser indicadas as zonas de segurança e as rotas de evacuação para alcançá-las.
  • É necessário corrigir e/ou eliminar todas as condições que possam gerar acidentes ou causar lesões às pessoas durante o terremoto, especialmente nas zonas de segurança e vias de evacuação/circulação. Por exemplo, móveis e enfeites desnecessários, lâmpadas fluorescentes, lustres, armazenamento de objetos pesados, vidros, clarabóias, cabos elétricos, divisórias e paredes fracas, entre outros elementos.
  • Determinar os sistemas de comunicação e/ou sinalização que serão utilizados em caso de colapso de uma instalação; bem como o pessoal que atuará como brigada de emergência; e as ações a serem realizadas em caso de corte de energia, gás e/ou água. Também é necessário implementar um sistema de iluminação de emergência e suporte à vida.
  • É imprescindível a realização de treinos e simulações periódicas para aplicação de tal plano de evacuação em caso de sismo.
  • É aconselhável designar líderes ou responsáveis ​​de evacuação que sejam responsáveis ​​por grupos de trabalhadores, para orientá-los para as zonas de segurança. É necessário capacitar constantemente esses líderes, para que saibam como agir em situações de emergência, bem como dotá-los de equipamentos e crachás para sua identificação.
  • Se a empresa, escritório, indústria ou atividade extrativo-produtiva estiver localizada em áreas costeiras, é fundamental ter em mente o risco de tsunami (ou risco de inundação devido às ondas gigantes que atingem a costa).
  • As zonas de segurança devem ser selecionadas em locais altos (colinas ou telhados de edifícios altos e estruturalmente muito sólidos), onde todos os trabalhadores possam ser evacuados quando houver probabilidade de tsunami. Da mesma forma, é necessário determinar as rotas de trânsito adequadas para chegar rapidamente a esses lugares em altura e com segurança.
  • A maneira mais precisa de reconhecer o risco de tsunami é determinar se o tremor ou terremoto é forte o suficiente para que as pessoas não possam se sustentar em pé.
  • Também é importante que as empresas se coordenem com as autoridades locais para garantir uma melhor divulgação de seus planos de segurança.
  • Todas as pessoas expostas ao risco de rolamento e/ou avalanches provenientes de morros, barragens, extrações ou terraplanagens devem ser deslocadas para zonas de segurança e vias de evacuação.

Como agir durante o terremoto

  • Durante a emergência, é necessário manter a calma e dirigir-se às zonas de segurança pré-estabelecidas, evitando correr e/ou gritar, para prevenir situações de pânico individual e/ou coletivo.
  • As portas e saídas de emergência devem abrir e permanecer abertas durante toda a emergência.
  • Anteriormente, todas as máquinas ou equipamentos elétricos devem ser desconectados, o fornecimento de gás cortado e qualquer outra fonte de energia ou ferramentas devem ser desligadas.
  • Durante a evacuação, o líder ou responsável deve mostrar uma atitude firme e segura, controlando o comportamento do grupo e dando instruções simples e precisas.
  • Diante da possibilidade de um tsunami, os trabalhadores devem evacuar para zonas de segurança pré-estabelecidas, retirando-se das áreas costeiras baixas e usando rotas de trânsito planejadas.

Como agir após o terremoto

  • Quando a emergência sísmica terminar, os líderes ou responsáveis pela evacuação devem determinar se é necessário deixar o prédio para seguir às zonas de segurança externas. Esta etapa é feita após a inspeção dos locais de trabalho e avaliação de suas condições.
  • O líder de evacuação ou responsável de cada área deve garantir que todos os trabalhadores sob sua responsabilidade estejam na zona de segurança pré-estabelecida. Se necessário, primeiros socorros aos feridos devem ser prestados e as respectivas transferências para os centros de atendimento médico devem ser determinadas.
  • O pessoal designado para atuar como brigada de emergência procederá à revisão das instalações da empresa, tanto em seus aspectos estruturais quanto em suas instalações, para garantir que não haja incêndios, vazamentos de água, filtragem de substâncias inflamáveis ​​ou deterioração de condutores elétricos, paredes, pisos e escadas . Se houver trabalhadores presos em alguma dependência, os serviços de emergência locais devem ser notificados imediatamente.
  • Da mesma forma, deve ser classificado o grau de danos e riscos dos diferentes locais ou construções para decidir se as atividades serão suspensas ou reiniciadas total ou parcialmente.
  • Se não forem observados danos nos serviços de eletricidade, água ou gás, eles devem ser restabelecidos gradualmente para evitar vazamentos e/ou acidentes.
  • Se forem encontrados danos de certa magnitude, é preciso solicitar orientação técnica externa de pessoal competente (serviços de água, eletricidade, gás ou esgoto, conforme o caso).

Assuma o controle de suas ordens de serviço

Com a plataforma nº 1 para digitalizar tarefas

Você pode gostar também

Visite-nos e junte-se à Revolução Digital com DataScope

Aprenda a abandonar o papel hoje mesmo!

Sobre o autor

Francisco Gonzalez
Francisco Gonzalez

Compartilhe Em

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Gostou deste artigo?

Assine nosso boletim informativo e enviaremos conteúdo como este diretamente para o seu e-mail, uma vez por mês com todas as novidades.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.