A importância dos chuveiros de emergência

Tabela de Conteúdos

Os chuveiros de emergência são vitais para mitigar os efeitos da exposição a substâncias poluentes, principalmente queimaduras na pele e nos olhos causadas por líquidos corrosivos, poeira abrasiva ou gases poluentes, entre outros riscos.

Um dos fatores-chave para o desenvolvimento competitivo das empresas é a segurança, tanto para o pessoal como para as diferentes operações realizadas diariamente em suas instalações. Isso implica otimizar e maximizar a prevenção de acidentes e doenças ocupacionais, principalmente quando se trabalha em contato direto com insumos de risco e substâncias perigosas.

Dentro desse cenário, uma das principais causas de acidentes graves é a exposição a elementos químicos presentes no ambiente, como substâncias cáusticas, corrosivas ou venenosas.

Esses tipos de imprevisto geralmente ocorrem em ambientes industriais, canteiros de obras ou operações de extração mineral, e suas consequências são muito graves para os trabalhadores, mesmo quando utilizam roupas ou elementos de proteção como sapatos, luvas, capacetes e óculos de proteção.

Por isso, além da prevenção, também é fundamental a utilização de sistemas de segurança que nos permitam lidar adequadamente com as consequências de um acidente destas características. Especialmente durante os primeiros 10 a 15 segundos após a exposição.

Dois elementos essenciais dentro de qualquer estratégia de segurança são os chuveiros de emergência e os lava-olhos, que contribuem efetivamente para minimizar os efeitos da exposição acidental a produtos químicos, principalmente ácidos ou gases corrosivos.

Por que é importante ter chuveiros de segurança?

Existe um grande número de atividades produtivas, industriais, extrativas e de exploração de recursos naturais que são afetadas por riscos de natureza química. 

Incluem situações como derramamentos, respingos de substâncias, projeção de  partículas e exposição a pós químicos de diversos tipos.

Embora todos esses acidentes possam causar sérios danos à pele e aos olhos dos trabalhadores, os eventos envolvendo agentes químicos corrosivos são particularmente graves (como queimaduras ácidas na mineração e algumas atividades industriais), pois envolvem a destruição de células e moléculas.

A gravidade dessas queimaduras dependerá do tipo de produto químico e de sua concentração, bem como da temperatura do produto e do tempo em que está em contato com a pele. De fato, os danos sofridos pelos tecidos como resultado de uma queimadura química não cessam até que o produto seja neutralizado, por isso a medida paliativa mais urgente e importante, após contato ou respingo, é a lavagem com água abundante.

Dessa forma, chuveiros de emergência e lava-olhos são a primeira linha de socorro em caso de acidente com essas características, pois oferecem instantaneamente o fluxo de água necessário para neutralizar o efeito de uma queimadura desse tipo.

Quais atividades devem ter esses sistemas?

A legislação internacional estabelece que os chuveiros de emergência são obrigatórios para todas as empresas que manuseiam ou armazenam diariamente uma grande quantidade de resíduos perigosos (como ácidos, agentes químicos, corrosivos ou poluentes).

No caso do Chile, o Decreto Supremo número 43 do Ministério da Saúde estabelece, em seu artigo 31, que “todos os armazéns comuns que armazenam mais de seis toneladas de substâncias perigosas devem ter Chuveiro de Emergência e Lava-olhos”.

O artigo 61 do mesmo texto determina que “devem existir chuveiros e lava-olhos de emergência a não mais de 20 metros das portas de carga/descarga, dentro ou fora do armazém, e a 10 metros da área de amostragem. depósito, com vazão suficiente para garantir o escoamento da substância a ser limpa”.

No caso de atividades de armazenamento a granel, a legislação chilena exige que “deve haver chuveiros de emergência e lava-olhos fora do tanque de contenção, a não mais de 10 metros da área de amostragem, ou área de carga e descarga, tanques de líquidos ou sólidos, ou o perímetro de a pilha a granel, conforme o caso, com vazão suficiente para garantir o escoamento das substâncias a serem limpas”.

Como usar um chuveiro de emergência corretamente?

Assim como acontece com os equipamentos de combate a incêndios ou vias de evacuação, chuveiros de segurança e lava-olhos devem ser instalados em locais de fácil acesso para que possam ser usados ​​rapidamente em caso de emergência.

Da mesma forma, é essencial tê-los nas áreas onde há maior probabilidade de que os trabalhadores sofram lesões causadas por pós químicos, líquidos corrosivos, gases tóxicos, vapores ou partículas lacerantes e venenosas.

Para que um chuveiro de segurança faça seu trabalho, ele deve fornecer fluxo de água suficiente para encharcar completamente uma pessoa em menos de 10 segundos. Nesses casos, especialistas internacionais recomendam que o equipamento forneça uma vazão mínima de 114 litros por minuto de água corrente, por pelo menos 15 minutos.

Deve-se também garantir que a água não esteja fria (de preferência entre 20° e 35°), e que o trabalhador acidentado permaneça sob a corrente de água enquanto retira toda a roupa contaminada. Depois disso, você deve permanecer na mesma posição por pelo menos mais 10 minutos, para garantir que o contaminante seja completamente removido.

No caso dos lava-olhos individuais, estes devem ser constituídos basicamente por uma bacia de 25 a 35 cm com o respectivo dreno, um sistema de fixação ao solo ou à parede, um atuador e dois aspersores capazes de fornecer um jacto de água potável . , totalmente limpo (transparente) e com pH neutro.

O sistema de acionamento do chuveiro deve ser fácil, rápido e o mais acessível possível, pois o trabalhador acidentado muitas vezes não poderá usar os olhos. Para isso, sugere-se uma alça triangular presa a uma barra fixa, que é acionada por um único movimento. Outros sistemas úteis são uma corrente ou um pedal inferior (este último também é adequado para lava-olhos autônomos).

O aspersor de água deve ter uma cabeça de pelo menos 20 cm de diâmetro e ter orifícios grandes, para evitar que fiquem facilmente obstruídos devido à presença de depósitos de calcário ou ferrugem.

Também é conveniente que o chuveiro de segurança tenha um dreno para evitar a formação de poças que podem causar queda de pessoas ou danos a outros equipamentos que estejam próximos.

Da mesma forma, é conveniente ter em mente que existem certos produtos que reagem violentamente ou que geram resíduos perigosos em contato com a água. Portanto, estes devem ser convenientemente rotulados e localizados em locais distantes de chuveiros de emergência e lava-olhos.

Da mesma forma, deve ser instalado um dispositivo de alarme acústico ou visual nas áreas próximas (por exemplo, uma sirene e uma luz estroboscópica oscilante), que é acionado quando o chuveiro é acionado. Assim, o resto do pessoal e as equipes de emergência saberão que houve um acidente e poderão prestar socorro ao acidentado.

Além destas considerações particulares, é aconselhável que a comissão de higiene e segurança da empresa, bem como os supervisores responsáveis, adotem outras medidas complementares.

  • Determinar quem será responsável por educar os trabalhadores sobre o uso de chuveiros de emergência, bem como definir as estratégias que ajudem a reduzir a exposição dos trabalhadores a cenários de risco que representem perigo para sua saúde.

Conselhos Gerais

  • Estabelecer e aplicar um programa de controle constante para verificar diariamente o correto funcionamento do chuveiro e lava-olhos, bem como o abastecimento de água. Isso implica realizar a manutenção preventiva periódica do estado das tubulações, válvulas, torneiras, drenos e vazão de água. Neste ponto, aplicativos e soluções digitais podem ser usados ​​para revisar de forma adequada e segura todas as listas de verificação necessárias.
  • Sinalizar adequadamente esses elementos de segurança, bem como informar e educar os funcionários sobre o seu uso correto. Isso implica conhecer a localização do chuveiro misto e do lava-olhos, entender como funcionam, saber quais os primeiros socorros a seguir e conhecer os métodos de descontaminação mais adequados para atuar de forma assertiva em uma emergência desse tipo.

Ao mesmo tempo, é sempre preciso ter em mente que esses sistemas de descontaminação não substituem ou eliminam as outras medidas de proteção usuais; e que é essencial cumprir todas as normas básicas de higiene e segurança para proteger adequadamente a vida e a saúde dos trabalhadores.

Assuma o controle de suas ordens de serviço

Com a plataforma nº 1 para digitalizar tarefas

Você pode gostar também

Visite-nos e junte-se à Revolução Digital com DataScope

Aprenda a abandonar o papel hoje mesmo!

Sobre o autor

Francisco Gonzalez
Francisco Gonzalez

Compartilhe Em

Gostou deste artigo?

Assine nosso boletim informativo e enviaremos conteúdo como este diretamente para o seu e-mail, uma vez por mês com todas as novidades.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *